O sucesso te incomoda? Quer destruir a reputação digital de sua empresa?

Muitos empresários, donos de negócios, empreendedores acreditam que o sucesso é algo a se alcançar e almejar. Te digo, isso é coisa do passado!

Não seria muito mais interessante destruir completamente o seu negócio e jogar o nome construído com suadas curtidas no Orkut na lama?

Se isso te interessa, caro amigo, não se preocupe. Listamos aqui 5 passos basicamente definitivos para destruir, aniquilar, devastar, arruinar, exterminar (eu já falei destruir?) a sua reputação digital.

1 – Não planeje nada. Aja por instinto

Calendário de Gestão de Crise

Uma das formas mais eficazes para reduzir a zero a sua reputação digital é não planejar.

Se grandes empresas planejam estratégias incríveis e ainda assim comem o pão que o diabo amassou, não planejar pode ser a saída encontrada para você que quer destruir completamente a sua presença digital.

Todos nós sabemos que o instinto nos ajuda em muita coisa, e que aquele frio na barriga quando surge uma ideia boa é sim para ser ouvido e dado a devida atenção.

Mas, de que serve uma grande ideia sem os meios necessários para ser executada?

Planejamento é a chave do sucesso, portanto, se você quer acabar com a sua marca nos vastos campos da internet, NÃO PLANEJE!!

2 – Monitorar pra quê?

Notebook gestão de crise

Quem trabalha com o público sabe da importância de sempre acompanhar o que é falado sobre a sua empresa, seja em suas próprias páginas, em canais de humor e até no barzinho da esquina.

Em quase todos os casos, uma crise surge inesperadamente. O que era uma frase brincalhona, pode ofender um grupo de pessoas e virar uma tormenta com apenas alguns compartilhamentos.

Porém, como nosso objetivo aqui neste artigo é reduzir a pó a sua marca na internet, vamos para a dica.

Se você identificou uma crise, e ela está crescendo mais que o preço da gasolina, ignore tudo o que acontece. Não monitore. Não leia os comentários. Não retire a postagem. Não se retrate. Não responda.

NÃO 👏 FAÇA 👏 NADA!

3 – Mostre quem manda

Chefe na gestão de crise

Pronto! Você tem uma crise em mãos. E agora?

Se a sua crise for de algum ~hater~ que produziu uma série de postagens ironizando a sua marca para defender uma causa ou tomar um posicionamento, mostre a eles quem manda!!!

Afinal, quem é o dono da empresa?

Não aceite que usem o seu logo de forma irônica, decrete que eles retirem postagens, vídeos, canais, correntes de whatsapp. Se possível, vá ao tribunal, publique vídeos mostrando o seu ponto de vista (provas das suas câmeras de segurança são um ótimo recurso para acabar com sua marca).

Ou seja, volte a 5ª série, seja o dono da bola e acabe com a festa deles.

__________________________

Anti-case de sucesso:

Kit Kat e os orangotangos

Em 2010, a Nestlé foi atacada pela ONG Greenpeace que alegava que a companhia desmatava florestas na Indonésia para tirar um óleo que era usado na fabricação do chocolate Kit Kat.

O Greenpeace produziu um vídeo em que mostrava a sua causa e o seu posicionamento contra a marca. Resultado: pessoas começaram a atacar a empresa em sua fan page, usando o logo trocado pela palavra “killers”.

Gestão de crise

Prontamente, a Nestlé mostrou com quantos orangotangos se faz um kit kat e se manteve calada, não emitiu nenhuma nota esclarecedora, impediu que as pessoas utilizassem o seu logo alterado e ainda se posicionou com uma linguagem arrogante.

Quem tinha visto o vídeo, ficou mais revoltado e quem não tinha visto, passou a saber do caso e aumentou o número de pessoas que passaram a criticar a postura da empresa.

___________________

4 – Tire proveito da desgraça alheia

Gestão de Crise mal resolvida

Quer melhor maneira de gerar buzz na internet que se aproveitar de tragédias?

(Podemos pensar em caminhos bem melhores, mas o intuito deste artigo é destruir a sua presença digital, não é mesmo?)

Esse é um caminho muitas vezes sem volta, quase infalível de aniquilar a sua marca, portanto, perfeito para quem tem esse objetivo.

Sabemos que quando uma tragédia acontece, o assunto fica em evidência por muitos e muitos dias, virando pauta dos principais jornais, blogs e programas. Geralmente acontece uma onda de apoio às vítimas ou alguma ação de ajuda a elas.

Quando isso acontece, marcas se utilizam de sua presença para prestar sentimentos, amparo e homenagens, aproximando a empresa dos consumidores de forma mais humanizada e ganhando fãs e admiradores no caminho.

Mas, como dizem 99% de todas as mães: VOCÊ NÃO É TODO MUNDO!

Aproveite alguma tragédia e tire proveito dela, de preferência com bastante humor (afinal, quem liga pra dor das vítimas, não é?).

Crie postagens, faça vídeos, stories, artigos… o céu é o limite! Tudo com bastante humor de “altíssima qualidade”.

 

_______________

Anti-case de sucesso

Catraca Livre e a Chapecoense

Se o seu objetivo for realmente manchar a sua marca, esse é um exemplo a seguir.

Quando o os jogadores e alguns jornalistas faleceram em uma das maiores tragédias do futebol brasileiro, a página Catraca Livre não perdeu tempo e passou a vergonha no débito à vista.

Enquanto jornais, blogs e empresas prestavam seu apoio aos torcedores, famílias e a todos que que estavam de alguma forma sentindo o impacto da tragédia, a página aproveitou o momento para gerar tráfego em seu site com artigos de E X T R E M O mau gosto.

Com chamadas como “10 mitos e verdades sobre viajar de avião”, “10 fotos de pessoas em seu último dia de vida” – esse com uma especial selfie de dois jogadores do Chapecoense.

gestão de crisegestão de crise

Não satisfeitos, eles publicaram uma nota dizendo que essas postagens eram jornalisticamente relevantes. Ou seja, tiro no pé.gestão de crise

__________________________________________

 

5 – Destrate o seu público (se possível, xingue!)

Pirata na gestão de crise

Esse passo aqui é um dos mais ousados que se pode fazer. É tão atrevido que as chances de sua empresa se retirar das redes sociais é 100% garantido.

O risco é tão grande que pode literalmente destruir um negócio.

Todos sabemos, principalmente quem trabalha com público, que erros, deslizes e incidentes acontecem e que os consumidores são exigentes, não deixam passar nada e reivindicam todos os seus direitos.

Há quem enxergue uma chance de contornar a situação, engajar mais pessoas e ganhar fãs pelo caminho. O que não é o caso desse artigo hehehehee.

Na internet, em especial nas redes sociais, a voz de um cliente insatisfeito ganha um volume bem mais alto e é com essa oportunidade que você pode aproveitar e colocar tudo a perder. Por que não?

Deixe o respeito, educação e amor pela sua carreira de lado e pegue todo o seu dicionário de “palavras chiques” e destile raiva, ódio e tudo que faça você se sentir aliviado.

Responder com grosseria é sempre aquela pitada de sal que faltava. Escolha o pior lugar (que não está no mapa) e mande o seu cliente pra lá.

Pronto! Resolvido. Sua marca será devastada do planeta internet e, se você for sortudo, do planeta Terra também.

______________

Anti-case de sucesso

Loja Visou e jornalista

Esse anti-case serve como exemplo de sucesso pois não só eliminou a marca da internet como acabou com a empresa. SIM, Britto. Eles fizeram tudo errado certo.

O caso foi que uma jornalista foi reclamar sobre a demora na entrega de um anel que ela havia comprado. Tudo bem, essas coisas acontecem. Além do incômodo passado pela consumidora, ela foi tratada com grosseria e xingamentos.

gestão de crise

Prontamente, a jornalista tornou as ofensas públicas e o caso ganhou força nas redes sociais. Diversas pessoas compraram a briga da jornalista e a marca já estava em maus lençóis.

Mas, como bons destruidores, eles foram além. Fizeram alguns posts “agradecendo” ao marketing gratuito e comemorando os lucros que a empresa teve. Tremenda bola dentro, hein?

__________________

E agora?

Brincadeiras à parte, o trabalho de construir uma imagem nas redes sociais não é tarefa fácil. Manter a marca bem posicionada, ganhar fãs e fiéis seguidores é uma tarefa ainda mais delicada.

Para a Tera, o planejamento de ações vai além da relação empresa-cliente, focando na experiência da marca de humano para humano.

Crises sempre existirão, porém, saber administrá-las bem pode não só contornar o problema, como pode gerar empatia por parte do público e assim ganhar fãs.

Conhecido como flawsome, reconhecer erros e falhas torna a sua empresa mais humana, trazendo a sua marca mais perto de seus clientes.

Claro, ninguém busca o erro, mas devemos ter inteligência estratégica para identificar oportunidades diante de crises e fraquezas.

Alguns desses anti-cases apresentados acima, poderiam ter sido contornados ou minimizados com campanhas pautadas na criatividade e foco em sua persona, absorvendo o erro e enaltecendo os valores da empresa. Porém, o despreparo, a falta de estratégia ou até a subestimação da crise, colocaram tudo a perder.

Segundo a pesquisa Social Media Trends da Rock Content, 94,4% das empresas estão presentes nas redes sociais. Porém, apenas 38,3% adotam uma estratégia de marketing definida com calendário editorial.

É um número bem distante do ideal, mas as empresas estão notando a importância de ter uma presença digital bem posicionada e definida por uma estratégia de marketing digital focada em resultados.

Mas antes, é preciso fazer uma análise para saber quais são os canais que se encaixam na sua empresa e que possam atingir o público certo.

E você, o que acha desses anti-cases? Comenta aí!

 

Facebook Comments

2 Comments

  • Responder
    Alanna

    G E N I A L !
    Só li verdades! Tudo a ver com o nosso momento atual.

Leave a Reply